terça-feira, 3 de março de 2009

Ruína

Há certa morbidez em teus olhos,
Estes que são mais meus.
O seu consolo foi
olhar para o lado e ver mais devastação,
Ela que veio pro lado de dentro,
Quebrando, estraçalhando tudo,
Desde a fragilidade moral à psíquica.
Não sei nada.
Eu apenas busquei tanto, que me enfastiei
dessas poucas palavras sem rumo,
E por essa falta acabamos por cair
naquele mesmo abismo.

4 comentários:

Jéssica V. Amâncio disse...

adorei!

Maria Fernanda disse...

Odeio abismos. :\

Marcela' disse...

Saia desse abismo e olho para o sol Ele nos cega , mas depois voltamos a enxergar normalmente de novo .. recomeçar, Nayra, recomeçar :)
Baci!

Gabriela Domiciano disse...

Tanta busca pra no fim se perder!!

=(