terça-feira, 10 de março de 2009

Reminiscência

É difícil causar esta impressão,
até por que já abri mão de muito.
Hoje, o que pode ver, sou eu além do que era.
É uma inconstância certa,
mas que provêem de todos os lados,
pelas vozes sussurrando palavras altas,
pelos corredores estreitos escondendo as notas,
as paredes, a escuridão.
Foram vocês ou foram eles?
Já se foram tantos, e tantas coisas que a memória
de tão curta, se apagou.
Isso por que não me importo tanto quanto antes,
hoje, não me asseguro de nada através dessas lentes de contato,
que me enganaram muitas vezes,
e eu sei que esses olhos nunca me foram confiáveis.
Alguma coisa ainda resta,
sempre que vejo sua alegria é motivo
de um certo constrangimento,
minha face cora,
perco-me algumas vezes em atitudes não satisfatórias
à minha conduta.
Por que você?
Eu ainda me sinto amarrada ao pé da cama,
jogada pelos cantos,
Não é certo, não deveria ser.
É o que me assombra pelos pedaços,
ao mesmo tempo que não me lembro,
ou pelo tempo que faço não lembrar.

Um comentário:

MARCOS disse...

eu havia esquecido como vc escreve de forma comlexa...acho...
sua escrita é fina!!!