terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Desarranjo







São quartos e salas,
e copos e armários,
tudo revirado.
janelas quebradas...
é como querer esquecer,
querer fugir.
que memória é essa.
de onde vem tanta calma?
se parecer não é tão desejável,
não queira transcender esses limites.
o que há dentro é uma tempestade,
é um copo sem água...
Conluio regressivo,
querem me afogar!

Um comentário:

MARCOS disse...

Não dá pé
Não tem pé, nem cabeça
Não tem ninguém que mereça (Não tem ninguém que mereça)
Não tem coração que esqueça (Não tem pé, não tem cabeça)
Não tem jeito mesmo
Não tem dó no peito (Não dá pé, não é direito)
Não tem nem talvez ter feito (Não foi nada, eu não fiz nada disso)
O que você me fez desapareça (E você fez um)
Cresça e desapareça... (Bicho de Sete Cabeças) by: Zeca Baleiro