sexta-feira, 24 de abril de 2009

Espúrio

Noite em claro, perspicácia,
Alvorecendo, depois de sete dias...
Não via mais nada, apenas faces,
olhares desfigurados, desejosos de explicação, de maiores controvérsias, de mais loucuras sem razão. O que diziam não importava, mantinha minha atenção fixada naquela mulher que limpava o quarto, vagarosamente, com certa dificuldade, via-se com facilidade que sua mobilidade estava comprometida, era desumano permitir que ela fizesse todo aquele trabalho enquanto todos estavam ali, ao meu redor, sussurrando uns com os outros. Preocupados com dúvidas que não lhes cabiam e que não iriam ser esclarecidas tão cedo.
Meu olhar vagava ao longe, penetrava e se difundia sobre aquela mulher, ela me intrigava. Aos poucos ela veio se aproximando, no entanto ninguém se movia para que ela passasse, ela se arriscava em empurrar uns e outros, e depois de algum tempo observando, ela terminou seu percurso, chegou perto de mim, estendeu as mãos frias sobre o meu rosto e disse claramente: "Bom dia meu filho, escute bem para que compreenda o que preciso lhe dizer, não espere que seus problemas cessem apenas fugindo deles, não mais, foi você quem os buscou e eles só poderão se afastar de você quando você permitir que eles partam, quando você aceitar que depende de você tornar isso possível, faça isso meu jovem, faça isso para que você viva mais e viva bem, para que você viva o hoje e busque um novo dia de sol, um fio de esperança, uma gota de chuva no rosto, para que se sinta vivo, para que realmente sinta!" A esperança se apossou de mim, ouvi todos falando ao mesmo tempo, me desliguei. Apaguei por algumas horas e quando retornei à sã consciência, havia apenas uma pessoa ali, procurei por aquela mulher, mas agora havia apenas um homem ao meu lado, era meu avô, ele me disse que havia sofrido um acidente e havia perdido a consciência por alguns dias e que agora precisava descansar. Não quis, permaneci na mesma posição, não entendia muito bem, o certo é que eu não queria estar mais aqui, no entanto continuo entre vocês, o que ouvi hoje me fez entender muita coisa, pensei o suficiente para chegar às minhas conclusões. Assim que meu avô deixou o quarto, voltei à adormecer e no dia seguinte, acordei diferente, ainda não sabia de nada que estava por vir, não sentia partes do meu corpo, isso me preocupava e os motivos que me levaram até aqui ainda não estavam claros. Sempre agi de acordo com meus impulsos e isso sempre me causou muitos danos, não sei até que ponto estraguei tudo, mas quero acreditar que posso mudar o mundo, quero acreditar que ainda sou o mesmo e que estarei de peito aberto para encarar a vida, para contar estrelas, para sentir a chuva fria molhando minha pele, para sentir o cheiro da brisa do mar, para sorrir, para viver, para sonhar...

4 comentários:

iilógico disse...

questions:
vous coupez vos cheveux?
rêve?
vous parlez français?
bjs

Pedro disse...

Obrigado pela sua opinião, fazia tempo que não faziam uma tão boa quanto a sua.
Os seus textos são otimos, eles são realmente surreais
Abraço
(ps: sou seu seguidor)

GrandeR@O disse...

moça
seus textos são muito bons
se quiser
msn arraes61@hotmail.com
bjus

Silvana Machado disse...

Muito bom, maravilhoso...
Me fez sonhar e viajar no seu texto.

Parabéns...
Estarei sempre por aqui.