domingo, 21 de fevereiro de 2010

Medial

Perdi minhas pegadas
Enquanto engolia palavras e farinha
Simples e contundente
Devagar
Descobri a falta de coragem para o não
e também a falta de pulso para o sim
Assim é meio à meio
Sem gosto
Sem graça
No meio do corredor
Ao meio dia
À meia estação
À meia vida

5 comentários:

i ILÓGICO disse...

e o vento no corredor, tem?
e olhar com sorriso no canto dos lábios? (daqueles de quem sabe que poderá ir...)
gosto-me e gasto os efeitos disto.

kingralphvip disse...

Eie! Lembra de mim? O Rapha... Baum....meu msn é raphael.avelar@hotmail.com ... to com saudade...bjos

Fer Siqueira* disse...

Quando a gente se perde, ou ao menos parte de nós... `é assim, meio a meio`, pedacos incompletos, meio certo, meio errado, meio naos e meio sim... é dizer um adeus com um subentendido explicito e louco de saudade... É a antecipacao de palavras, e o constante querer de tempestades quietas... e ficamos `ao meio dia, a meia estacao`, a meio nós. incompletos. incertos. insanos. adormecidos num castelo de vidro... aguardando quem sabe, o melhor meio, assim, medial - menos e tudo... que complete nossa incoerencia, nosso nada... que rompa os vidros sem quebra-los... e que nos faca nós, um pouco e mais =) lindo seus posts e, adorei o novo `canto` surreal.
Abraco.

@vitinhobinho disse...

Adorei a musicalidade da prosa *-*

Arpeggi disse...

Como diria um colega meu: O que posso fazer se ela diz tudo?!