quarta-feira, 20 de maio de 2009

Insensibilidade

Pelos dias claros
desse insensível acordar,
choram...
as águas, as pedras, os pedaços...
Choram as peles,
Inconsoláveis...
Despertam para o novo,
a dor da dúvida,
fortalece...
Chore,
choraremos...
Como sempre,
para nunca parar...

3 comentários:

i ILÓGICO disse...

quÊ linda!
olha, não sei se vejo o que vejo. sua poesia está caminhando para o sucinto. não que isto tenha que acontecer necessariamente, mas, este estilo é diferente. experimentar... hummmm que bom!
parabéns

bju-te

lumenamena disse...

Insensibilidade! Tudo isso sempre existiu, pois cada um de nós desperta com a idéia de fortalecer, num universo indiferente. Por isso quer, enquanto é tempo, transformar a si mesmo em seu próprio universo de palavras.

Um abraço!

Amanda Goulart: Jornalismo em tempo real disse...

Que bom voltar aqui!
Te amo amiga.
Beijos