segunda-feira, 26 de julho de 2010

Tão Só

As cortinas se fecham devagarzinho
Enxergo à meia luz a meia lua
Um pouco
Um claro
Bebo do copo vazio
A tinta que escorre das veias
Triste
Sozinho
Tanto e só
A calma
Acalma
A alma
Escorre
Corre
Escorrega
Por entre os dedos
Inocência
Chave do segredo
Um pouco só
Lembrança
Um grão de areia
As mãos entrelaçadas
Passa
Me abraça
Senão eu fujo

7 comentários:

Por que você faz poema? disse...

Quase sempre me sinto só,
mesmo quando estou acompanhado.

Carol ; Abyná disse...

que lindo poematango você fez aqui. *-*

Valdecy Alves disse...

Parabéns pelo blog, onde ao tempo que divide, também aprende, constrói e se constrói.

Visite o meu blog e leia matéria onde faço um paralelo entre o Mito da caverna de Platão e a educação no Brasil. Acessar em:

www.valdecyalves.blogspot.com

i ILÓGICO disse...

Ny, obrigado pelas visitas, palavras e incentivo desde o princípio.
bjos


É.......
http://iilogicowall.blogspot.com/2009/08/de-ondas-e-futuro.html

Andréia Regina disse...

Tão só, tão lindo.. melodia tocante, riquissima.

'A calma
Acalma
A alma'

Valdecy Alves disse...

Olá!

Através dos nossos blogs, falamos ao mundo e já não somos uma ilha e nossa voz se irradia para consciência coletiva de toda a humanidade. Não deixe de Ler matéria e ver fotos em meu blog de como utilizar a arte para criar uma consciência de preservação do patrimônio histórico material e imaterial. MANTER VIVA A MEMÓRIA É UMA QUESTÃO DE IDENTIDADE, UM DIREITO HUMANO. Ainda de estar convidad@ para audiência pública, que se realizará sábado, dia 28/08/2010, nos Casarões da Barragem, onde houve o Campo de Concentração da Seca de 32, em Senador Pompeu, Ceará. Leia, veja, comente e divulgue:

www.valdecyalves.blogspot.com

Fouad Talal disse...

menina,
fiquei muito tempo sem te visitar.
perdi um bocado dessas sutilezas.

bom te receber lá em casa.
um beijo.