terça-feira, 16 de março de 2010

Impropriedade

Quero apagar as manchas da minha pele
Cada retrato seu que se esconde por detrás das minhas paredes
Quero que se resolva, que se compreenda
Quero que se abra, que se absorva, que vire lenda
Quero serrar essas grades
Desatar esses nós
Quero que vire a face, que saia correndo, que não tenha dó
Quero que desligue o telefone, que saia da cidade,
que fuja de tudo
Quero que esqueça da minha presença, da minha ausência e de que um dia fui seu porto seguro
Corra até seu destino, mesmo sozinho, esqueça as palavras que não falei
Quero que vire a cara, que não se apavore, que esqueça meu nome
Que esqueça que um dia te amei

3 comentários:

i ILÓGICO disse...

catarse...
torço daqui....

Jéssica V. Amâncio disse...

Muuuito bom! Ameii !

JORDAS disse...

é dificil esquecer os portos que nos deram segurança.