sábado, 1 de maio de 2010

Sono de Cascalho

Que bobagem menina,
Sua visão não se limita
Você pode me ver, não pode?
O cascalho já caiu e molhou a minha roupa
Enxuga esse pó
Você vai cair, não disse?
Essa perna manca me atrapalha
Por um lado é bom
E pelo outro também
Chega de preguiça
Se ajeita que a noite é longa
Há tempo para resolver esse caso
Calma, não desliga
Não me desliga
Por favor
Ainda estou aqui
Chama mais alguém pra te ajudar
Não me deixe aqui sozinha
Cairemos no vazio dessa imensidão
Me deixa dormir!

7 comentários:

i ILÓGICO disse...

as coisas não precisam dar em algo sempre...as coisas, às vezes, são A COISA. entendeu? rs
adoro suas visitas!

Por que você faz poema? disse...

Viver é se atirar,
ou apenas adormecer.

JORDAS disse...

Muitas vezes o melhor conselho e a melhor ajuda é uma boa noite de sonho!

pablorochapoesias.com disse...

Uma conversa interior tão sua e tão coletiva! Adorei sua organização de palavras para dialogar cosigo mesma!!
Minha admiração!

Beijos!

Carol ; Abyná disse...

de boneca para menina?

muito, muito bom!

Thainá Rosa disse...

Surrealista mesmo! Me fez pensar em um sonho,talvez em um mundo de coisas à avessas,tipo Wonderland. ^^

Genny Xavier disse...

Nayara,
Experimentamos tudo...o certo e o avesso...a montanha e o abismo...o mar e o rio...a vida e a viagem...o verbo e a palavra...
Sua poética EXPERIMENTA desse manjar de palavras tão próximas e distantes...
Beijo,
Genny