terça-feira, 26 de junho de 2012

Divagações

O martírio semestral consome a vida
O tempo fica dissolvido
De tanto pensar, não penso!
De tanto ler, não leio, não durmo, não aprendo
Não penso, Não penso, Não penso
Estou com lágrimas, gritos e alma entalados na garganta
Quero cuspir, sangrar, correr, voar... Sem pressa, Sem regras
Me enchi de vazio
Me enchi de papéis inúteis
Me enchi de outra pessoa
Esvaziei-me de mim para me encher de NADA
E é assim... A vida inútil e feliz!
Feliz?
Talvez um dia!


3 comentários:

Fale o que pensa, mas pense! disse...

Feliz talvez um dia? SERÁ! Blog lindo...parabéns ;)

Gabriel George Martins disse...

É exatamente assim que me sinto...

O Título Certo disse...

Voltar-se para si é a condição de não ignorância.
não ignorância é estar condicionado
a ser e sentir muito mais alem.
Por tanto, tanto mais triste
tanto mais feliz.